• (11) 3063-4630 / (11) 99957-1753
  • contato@artehall.com.br
  • Ana Nitzan

    Ana Nitzan - Arte Hall 2015 Confira nosso acervo.

    Ana Nitzan
    Curtacarrosel

    OiR APOSTA NA INTERATIVIDADE COM O PÚBLICO

    Rodrigo Cass

    Rodrigo Cass

    Apresentamos a vocês a nova obra do artista Rodrigo Cass, desenvolvida especialmente para o nosso clube de colecionadores, o Clube Hall 7ª edição

    Rodrigo Cass
    Hall de exposicao

    Hall de Exposições

    Venha conferir nossa exposições passadas.

    Hall de exposicao
    DANIEL BARCLAY

    DANIEL BARCLAY

    Artista selecionado pela Arte Hall, para participar da feira BARCÚ

    DANIEL BARCLAY
    Arte Store

    Arte Store

    Conheça nossas obras disponíveis.

    Arte Store
    barcu

    Arte Hall participa da 2ª edição da Feira Internacional Barcu

    barcu
    Carrosel

    Siga nossa agenda e fique por dentro dos acontecimentos

    Carrosel
    ArtRio

    Arte Hall participa da ArtRio

    ArtRio
    Shirley Paes Leme

    Shirley Paes Leme

    Apresentamos a vocês a nova obra desenvolvida especialmente para o nosso clube de colecionadores, o Clube Hall 8ª edição

    Shirley Paes Leme

    AgendaO Museu de Arte Contemporânea da USP, em parceria com o IMS, abre nova exposição.

    voltar para a agenda

     

    Emancipação, inclusão e exclusão

    O Museu de Arte Contemporânea da USP, em parceria com o IMS, abre no dia 28 de outubro a exposição Emancipação, inclusão e exclusão. Desafios do Passado e do Presente – fotografias do acervo Instituto Moreira Salles, com  fotografias de Marc Ferrez, Victor Frond e George Leuzinger, entre outros. A curadoria é de Lilia Moritz Schwarcz (Antropologia USP), Maria Helena P.T. Machado (História USP) e Sergio Burgi (coordenador de Fotografia do IMS).
    A mostra com 74 imagens, inclusive originais de época, analisa o registro fotográfico feito sobre negros – livres, escravizados ou libertos – no Brasil, em um período em que vários fotógrafos estrangeiros atuavam no país com trabalhos de forte elaboração estética e formal. Os trópicos, a natureza e seus habitantes foram registrados em câmeras de grande formato sobre tripés, que aproximam o resultado da imagem fotográfica do período aos padrões da pintura de cavalete. Como na representação da natureza – com suas grandes cascatas, florestas virgens, mar profundo e paisagens – a representação dos nativos era quase idealizada, adquirindo um caráter icônico e onírico.
    A fotografia de escravos e ex-escravos no Brasil tem uma particularidade: de um lado, a fotografia entrou cedo no país contando, já nos finais dos anos 1860, com clientela certa, que dentre outros incluía o imperador d. Pedro II; ele próprio um fotógrafo. De outro lado, a escravidão tardou demais a acabar, guardando o Brasil a triste marca de ser o último país do Ocidente a admitir tal tipo de sistema. Dessa confluência resultou um registro amplo e variado desse sistema de trabalho e de seus trabalhadores. Por vezes tomados ao acaso, por vezes figurando como modelos exóticos ou tipos para a análise da ciência; ora como parte do cenário, ora como figuras principais, escravizados foram flagradas nas mais diversas situações.
    Mas se a operação de converter os indígenas em “objeto de estúdio” fazia parte dos cânones românticos de época, mais difícil era captar o dia a dia da escravidão e do trabalho forçado. Grande contradição do Império brasileiro, o sistema escravista foi abordado por diversos fotógrafos, autônomos ou apoiados pela Coroa. Particularmente nos anos 1870 e 1880 proliferaram as fotos de escravizados, revelando, por sua regularidade, de que maneira o sistema andava naturalizado entre nós e disperso por todo país. Negros figurariam em cartes de visites, mas também nos documentos científicos. Estariam também presentes nas fotografias de paisagem e na documentação do trabalho nas fazendas de café realizadas tanto por Victor Frond nos anos de 1859 e 1860, como por George Leuzinger por volta de 1860, e Marc Ferrez na década de 1880.  Em todos esses casos vemos a montagem da representação naturalizada da escravidão: tudo em seu lugar.
    Nas cidades, os fotógrafos do século XIX encontraram  os motivos e características de uma escravidão urbana, caracterizada pelos trabalhos de rua, com a presença de figuras urbanas marcantes como as de  carregadores, vendeiras e barbeiros  –  libertos ou cativos. Mais uma vez, a forma precisa e estetizada se fazia presente nos cestos bem montados, nas vendeiras dispostas de maneira equilibrada e com panos das costas detalhadamente expostos, nos carregadores de liteiras bem postados. Aí estava novamente o espetáculo de uma escravidão pacífica e sem contestação. No entanto, essas fotos urbanas denunciam igualmente precariedade, indisciplina e certa ausência de controle do trabalho escravo nas cidades.
    É como se os fotógrafos, em boa parte estrangeiros e a par das críticas ao sistema escravista, buscassem com estas imagens fazer eco às ideias que circulavam, neste momento, nos círculos letrados e humanistas, a respeito da urgência do país superar a escravidão.  Entretanto, é a partir de uma atenção aos detalhes que os negativos fotográficos registraram, que podemos vislumbrar muitos momentos e ângulos de autonomia e de vontade própria por parte dos fotografados, possibilitando uma leitura a contrapelo ao sentido geral das imagens.  O fato é que a possibilidade atual de ampliar os negativos permitiu que trouxéssemos à tona o registro de detalhes de primeiro e de segundo planos. Hoje, com as novas técnicas é possível buscar ângulos recônditos das fotografias, muitas vezes desconhecidos pelo próprio artista que registrou a cena. Embora o fotógrafo do XIX não pudesse revelar suas fotos em proporção mais ampliada, o negativo que ele nos legou permite, e é esse o convite que fazemos nessa exposição. A partir de recortes das imagens, vemos gestos e olhares que conferem singularidade aos indivíduos fotografados, fossem eles escravizados, libertandos ou libertos.
    Emancipação, inclusão e exclusão. Desafios do Passado e do Presente faz parte de um projeto maior realizado em outubro de 2013 na Universidade de São Paulo, no escopo das atividades que comporão o seminário “Emancipações, Inclusão e Exclusão. Desafios do Passado e do Presente”, e pretende contribuir para o tema geral do seminário a partir das imagens fotográficas que registram a escravidão e seus desdobramentos no país.